redacao@colunapolitica.com.br

TV Globo versus Bolsonaro: um jornalismo enviesado e chantagista

TV Globo versus Bolsonaro: um jornalismo enviesado e chantagista

Por Ronaldo Nóbrega |

Na última quarta-feira (30/10), o Jornal Nacional exibiu uma extensa matéria sobre os suspeitos envolvidos no caso Marielle Franco, a vereadora que foi executada em março de 2018. Contudo, a notícia citou o nome do Presidente da República, Jair Bolsonaro, em uma suposta ligação com os acusados.

As alegações surgiram de um controverso depoimento do porteiro do condomínio que foi obtido, ilegalmente, pela Rede Globo. O caso segue em segredo de justiça, mas demonstra claramente mais uma tentativa da emissora de chantagear o Poder Executivo.

A Globo perdeu mais de 250 milhões de reais em propagandas oficiais do governo só nos primeiros meses de 2019. Desde a campanha de 2018, a emissora tem mostrado um jornalismo enviesado e chantagista, defendendo apenas seus próprios interesses financeiros.

O telespectador, cada vez mais, identifica o desserviço que a Globo presta à sociedade, transformando-se paulatinamente em um veículo puramente de entretenimento. A comprovação disso é a audiência de suas telenovelas em comparação ao seu canal exclusivo de notícias, a GloboNews. Enquanto as novelas batem recordes de audiência, a GloboNews experimentou, em setembro, uma queda de 35% de sua audiência em relação a janeiro deste ano.

O telespectador que antes depositava uma confiança cega nos jornais da Globo, começou a questionar a veracidade da informação. A internet desempenha um papel fundamental nessa mudança que é fundamental para o amadurecimento do cidadão.

A reação do Chefe de Estado brasileiro foi, imediatamente, dar nomes aos bois. Primeiramente, expôs a “canalhice” da emissora que, mesmo sabendo da inconsistência do depoimento do porteiro, conferiu vários minutos em horário nobre a essa matéria.

Casos como esse são fundamentais para que o brasileiro deixe de ser um mero telespectador e vire um crítico. O Brasil evoluiu aos poucos, é necessário mais leitura e menos televisão para que o brasileiro possa separar o que é notícia e o que é chantagem. A matéria do Jornal Nacional não foi notícia.

redacao@colunapolitica.com.br

Comentários