Geral

ALAP concede Cidadania Amapaense para ministro da Defesa general Paulo Sérgio

ALAP (Foto: Gerson Barbosa) - segunda, 20 de junho de 2022
 

O ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, recebeu o Título de Cidadão Amapaense, concedido pela Assembleia Legislativa do Estado do Amapá (Alap),  sexta-feira (03/6/2022), no Plenário Deputado Dalto Martins. A propositura da honraria foi feita pelo presidente da Casa Legislativa, deputado estadual Kaká Barbosa (PL), e aprovada em maio pelos deputados.

O ministro foi recebido pela primeira vice-presidente da Assembleia, deputada Telma Gurgel (Podemos), pelo governador do Amapá, Waldez Góes (PDT), pelo presidente do Tribunal de Justiça do Amapá, Rommel Araújo, pela Procuradora-Geral de Justiça do Ministério Público do Amapá, Ivana Cei, pelo primeiro vice-presidente do Tribunal de Contas do Estado, Amiraldo Favacho, pelo comandante da 22ª Brigada de Infantaria de Selva, João Gobert, pelo Capitão da Aeronáutica, Vladimir Favacho e pela comandante da Polícia Militar do Amapá, coronel Heliana Braga.

Segundo o presidente, que não pode participar da solenidade por motivo de saúde, o ministro tem histórico de ações favoráveis a questões relacionadas ao Amapá, o que levou a concessão do título para o general do Exército Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.

"Esse é um dos objetivos da honraria: homenagear pessoas que realmente tenham relevantes serviços para o Amapá, e até mesmo pela parceria mantida com esta Casa de Leis como a entrega de cestas básicas no período da pandemia, uma vez que com a estrutura que o Exército tem, possibilitou a chegada dos alimentos em regiões de mais difícil acesso, seja também pelos trabalhos na garantia da soberania do país e até mesmo na garantia da segurança dos cidadãos que moram em Oiapoque, área de fronteira, entre outras ações mantidas com os demais poderes. É um momento de agradecer ao ministro pelo apoio ao nosso estado", justificou o presidente da Alap a comenda concedida ao ministro.

Para o governador Waldez Góes é uma justa homenagem feita pela Assembleia Legislativa. "É o reconhecimento da Assembleia e do estado do Amapá ao conceder o Título de Cidadão Amapaense por todo o serviço que tem prestado ao estado e hoje é o momento de homenagear por todas as parcerias firmadas com o Exército como na área que cedeu para a construção do Hospital de Emergência, do trabalho de proteção à Amazônia, em ações sociais que tem sido fundamental no apoio para retirar famílias hoje afetadas por enchentes no norte e sul do estado e lembrar a importância no combate no período mais críticos da pandemia", descreveu o chefe do Executivo.

Após receber a condecoração, o general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira agradeceu e exaltou a grande importância estratégica que o Amapá tem com a sua fronteira, importante não apenas para o Brasil, mas para o mundo e também pelo envolvimento do Exército em ações sociais e conjunta com os demais poderes do estado. Ratificou as ações citadas pelo governador já desenvolvidas em parceria com o Exército e reforçou que foram apenas algumas de "nossas participações no Estado do Amapá e iremos continuar sempre de braços abertos a qualquer iniciativa que traga benefícios ao povo amapaense" e ressaltou que às Forças Armadas estão em plena operação Agata, com mais de 3 mil homens e mulheres em defesa da nossa soberania e defesa do nosso país no combate de drogas ilícitas e crimes transfronteiriço.

"É uma feliz coincidência da operação com essa honraria. Muito honrado mesmo com essa condecoração e ser admitido como cidadão amapaense me enche de orgulho e sinto-me feliz pela calorosa recepção e o que me traz ao Amapá é sempre gratificante retornar a um estado que me retrata uma das mais honrosas missões que foi chefiar o Comando Militar do Norte, em Belém do Pará, e que deu a região Norte outros status com à presença do Exército. Estaremos sempre de braços abertos para novas parcerias em benefício do povo amapaense", disse o ministro Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.

Perfil

Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira nasceu em Iguatu, no Ceará. Oliveira iniciou a vida militar em 1974, na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, onde concluiu o curso em 1976. Um ano depois, ingressou na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) em 1977, tornando-se aspirante a oficial da Arma de Infantaria em 1980.

O agora Ministro da Defesa serviu em unidades de Infantaria como o 15º Batalhão de Infantaria Motorizado, em João Pessoa (PB), o 71º Batalhão de Infantaria Motorizado, em Garanhuns (PE) e o 2º Batalhão de Infantaria de Selva, em Belém (PA). Foi, também, instrutor da Academia Militar das Agulhas Negras.

Como tenente-coronel, comandou o 10º Batalhão de Infantaria Leve - Montanha, em Juiz de Fora (MG). Já como coronel, foi designado para o cargo de Adido de Defesa, Naval, do Exército e Aeronáutico junto à Embaixada do Brasil no México, onde permaneceu por dois anos.

Chefiou e comandou várias organizações, tais como o Estado-Maior do Comando Militar do Oeste, em Campo Grande (MS); a 16ª Brigada de Infantaria de Selva, em Tefé (AM); o Estado-Maior do Comando Militar da Amazônia, em Manaus (AM); o Comando Logístico do Hospital das Forças Armadas, em Brasília (DF); e o Comando Militar do Norte, em Belém (PA).

Durante a carreira, foi agraciado, entre outras condecorações, com a Ordem do Mérito da Defesa, no grau Grande Oficial; com a Ordem do Mérito Ministério Público Militar; com a Ordem do Mérito Judiciário Militar; e com o Distintivo de Comando Dourado.