Geral

Em nenhuma etapa do processo de elaboração orçamentária para 2021, o Orçamento da Defesa foi superior ao destinado ao Ministério da Educação

Da redação com informações do Ministério da Defesa. - quinta, 03 de setembro de 2020
 

O Ministério da Defesa (MD) esclarece que a matéria “Recuo Oficial: Planalto desiste de transferir mais recursos à Defesa e mantém prioridade da Educação” e sua chamada, apresentada com grande destaque na capa, “Governo recua, e Educação terá orçamento maior que o da Defesa”, veiculadas pelo jornal O Globo, em 1º de setembro de 2020, estão equivocadas, não condizendo com a verdade.

Em nenhuma etapa do processo de elaboração orçamentária para 2021, o Orçamento da Defesa foi superior ao destinado ao Ministério da Educação.

Fato: O orçamento da Defesa para 2021, proposto pelo Governo e enviado ao Congresso no dia 31 de agosto, é de R$ 116,5 bilhões, enquanto o da Educação é de R$ 144,5 bilhões.

Os valores apresentados pela matéria também estão incorretos, contrariando, inclusive, os valores corretos apresentados em matéria publicada na véspera (31/08), “Orçamento: governo propõe manter gastos com Educação superiores aos de Defesa em 2021”, no portal G1, que pertence ao mesmo grupo empresarial.

A diferença de R$ 28 bilhões entre os orçamentos da Educação e da Defesa (25%) deixa evidente, para qualquer analista minimamente esclarecido, que seria praticamente impossível, diante das dificuldades fiscais dos últimos exercícios, encontrar uma solução mágica para elevar, nesse montante, o orçamento do MEC em tão pouco tempo. O suposto “recuo” alegado na matéria, portanto, nunca existiu.

Esta é a verdade. Qualquer outra narrativa é mera especulação e servirá, apenas, para desinformar a sociedade sobre a temática.

A tentativa de criar a narrativa de uma fictícia oposição e competição entre dois temas de Estado, independentes e da maior relevância, como Defesa e Educação, presta um desserviço ao País.